sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Insta Week


Esta rubrica surge da minha falta de tempo em escrever daqueles textos longos que me dão gozo, daqueles com muitas metáforas e que me surgem tão de repente que tenho de me sentar num ápice em frente ao computador.

Não tenho tido desses momentos, não só pela falta de tempo, mas também porque este meu computador onde agora vos escrevo não me permite fazer coisa alguma em "ápices" e confesso que tenho pouca (pouquíssima!) paciência para esperar que ele responda aos meus comandos.

Foi assim o "nascimento" desta rubrica. Uma espécie de "preciso de dar vida ao blogue" misturando com a "vida excessiva do Instagram do blogue"... porque, por enquanto, partilhar uma fotografia com uma micro legenda ainda é mais fácil que escrever textos longos e teorias loucas.

Uma vez por semana contem ver aqui no blogue uma espécie de resumo "instagrameiro" do Biquíni, que podem seguir AQUI, e estão mais do que à vontade para me chamarem preguiçosa quando virem posts destes. 

E cá fica o primeiro:



Catarina

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Vai uma aula de Zumba com desafio extra?


Por muito que quando entre numa loja o meu subsconsciente ache que o tamanho maior já não vai servir por estar largo, ainda é o tamanho maior que o meu consciente pega para ir experimentar. Invariavelmente, tenho de voltar a sair do provador e procurar alguns números abaixo para experimentar, como se já não tivesse tido provas antes de que tal ia acontecer.

Por já ter acontecido algumas vezes esta situação, quando encomendei as minhas calças de Zumba super douradas e lindas, andei de fita-métrica a ver qual seria o tamanho certo. 

Confesso que fiquei triste por "ainda" ser um XL de acordo com as medidas do site, mas no fundo "este mundo é para gente pequena", pensei na altura, e lá mandei vir o tamanho XL (XLovely para eles, ao menos chamam-me grande de forma fofinha!).

Chegaram ontem, as calças, e assim que as tirei da embalagem a reacção passou da euforia profunda para "Qéstamerda?" em "warp speed" (referência ao universo Star Wars, mas tem de ser, gente!)





O XL não só me está extra grande como acho mesmo que só o M (de Marvelous) seria o tamanho ideal. 

Agora, das três... (z)um(b)a: ou troco; ou mando apertar ou deixo estar assim e em cada aula de Zumba em que as usar pratico o desporto extra de "tentativa de não queda de calças".

É escolher!

Catarina


quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Porque me faz brilhar!


Tinha de acontecer um dia.

E até acho que me aguentei muito tempo sem o fazer.

Mas foi mais forte do que eu.

...

...

Perdi toda uma cabeça, e comprei o meu primeiro par de calças Zumba!




Consegui resistir durante quase dois anos, mas acho que estas calças douradinhas foram feitas a pensar em mim! E têm o nome mais sugestivo de todos: Zumba Makes Me Shine!

E mal posso esperar que cheguem (apesar de me ter, literalmente, custado muito ter dado o dinheiro que dei por elas. Mas eu mereço!)


segunda-feira, 11 de setembro de 2017

O meu companheiraço da Zumba


É mais do que normal que fale aqui de quem faz parte da minha vida de ginásio. Não só de quem me treina, como o Hugo ou a Filipa, mas também de com quem treino. Afinal, também essas pessoas me incentivam a me superar (já dei por mim a ir de Alcântara ao Parque das Nações em 20 minutos para fazer uma aula de Zumba por ter dito ao Álvaro que ia estar presente).

E quem é o Álvaro? Ora, é uma espécie de corpo estranho (por ser gajo) numa aula de Zumba, e de notar que a estatística não é minha. Basta ir a uma sessão de Zumba para ver que a maioria dos bailarinos presentes é do sexo feminino.

Na minha primeira vez na Zumba, a tal que começou a mudar a minha vida, fui um pouco machista e desconfiada pois lembro-me de ter perguntado ao professor que estava à porta do estúdio, o Daniel, que para mim na altura era só o instrutor a quem eu entregava a senha, se estava no sítio certo para zumbar (apesar de o criador da Zumba ser um homem, meti em ideia que ia ser uma senhora com cabelo esvoaçante a dar-me aula).

Entreguei a senha e lá dentro as minhas expectativas foram cumpridas: eram só senhoritas de cores garridas vestidas. Mas, mesmo antes de começar a aula, entra mais um elemento do sexo masculino, numa espécie de "estás outra vez errada, Catarina. Afinal aqui homem também dança."

Ainda hoje, o lugar "lá atrás" é o meu, imaginem naquela altura! Vai-se a ver, também é o lugar do Álvaro.

Lembro-me de, nessa primeira aula, ter ficado admirada com o à-vontade dos seus movimentos, apesar de também lhe ter ligado pouco pois estava mais concentrada em não fazer muitos solos nas coreografias (leia-se, falhar os passos de dança).

Pouco tempo depois, o Álvaro lesionou-se e apareceu numa aula de hora de almoço para ver a turma: "Este senhor trabalha numa agência de modelos", brincou o Daniel. E a realidade é que até podia trabalhar. O Álvaro tem um andar que é um verdadeiro desfile e lança charme por onde quer que passe. É um galã e o facto de fazer uma aula de Zumba, para mim, só lhe dá pontos extras. Quando ele falta, a aula já nem é a mesma coisa pois nota-se a ausência dos seus gritos de macho-latino em momentos-chave das músicas, assim como o seu perfume a pairar pelo ar.

Mas, para mim, o maior encanto do Álvaro é que, como eu, é um lutador. Lutou por quebrar um ciclo de excesso de peso. E conseguiu.

Apesar de já o ter conhecido em melhor forma do que quando começou a luta, este último ano e meio tem-me mostrado um homem focado em deixar o sedentarismo de lado, em treinar (e não é só Zumba!) e em continuar a chegar ao seu biquíni dourado (que no caso dele espero que seja uma sunga, vá).

És uma inspiração, homem, apesar de por vezes também seres uma dor de cabeça (temos uma relação em que se um diz mata o outro diz esfola), mas hoje o texto é para ti, Álvaro.

Que continuemos a Zumbar juntos por muito tempo!




Catarina

sábado, 9 de setembro de 2017

Abanar o esqueleto #32


Coincidências da vida. Se comecei este ano a ouvir Ghost, aquela banda que já aqui vos trouxe tanta vez nesta rubrica, também rapidamente me comecei a aperceber que quase nenhum dos meus contactos próximos conhecia o grupo.
Vai-se a ver, no meu novo emprego uma das colegas com quem criei já mais afinidade é só assim "a" SUPÉ-FÃ de Ghost. 

Acredito mesmo que tudo tem um propósito na vida e este tem sido um ano forte em me provar que estou certa nesse campo.

Como tem sido a banda que me tem acompanhado todos os dias no trabalho, no carro, nas assobiadelas que dou durante o dia e por ter tido esta surpresa de ter uma "Zombie Queen" ao meu lado agora, hoje só fazia sentido ser uma música deles a tocar cá no blogue.

Mais um vez, por na verdade nunca chegar, eis os senhores que dominam os meus ouvidos: Ghost!

Bom fim-de-semana!


Catarina

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Trio-maravilha está de volta!

Por questões de horário no trabalho, estive duas semanas sem treinar na Rapid FIT&WELL de Campo de Ourique. Juntar a isso mais uma semana antes em que não tive o meu PT Hugo (diz que esteve a usufruir de uma coisa chamada "férias") e resulta em três semanas sem treinar com ele! TRÊS! 

Para uma pessoa normal não há problema, mas para uma carangueja de signo como eu, gera logo um turbilhão de ansiedades de voltar às rotinas e ao aconchego da "normalidade". 

Ontem foi dia de reencontros e se eu ia a achar que como o homem esteve de férias vinha com tranquilidade e serenidade, eis que se me enganei. Caneco! Veio com a força toda e foi um treino daqueles de me deixar a cheirar particularmente mal no final de tanto suor que para ali deitei. E que saudades que eu tinha disso... 

De suar forte e feio, mas também de estar ali naquela picardia constante que tenho com o Hugo. Se um diz mata, o outro diz esfola, mas regra geral ganha ele até porque estou em posição mais submissa, por estar a treinar ligada a uma máquina e assim. Mas ontem até que o apanhei numa posição mais vulnerável. Foi como se ele tivesse perguntado "Queres chegar ao Biquíni Dourado com a minha ajuda?" E eu disse "Sim". Afinal, não é todos os dias que se ajoelham aos nossos pés. E tenho provas:

(Notinha a este último parágrafo: de facto o Hugo esteve de joelhos ao pé de mim, mas não foi só mesmo para ligar o fato. Eu é que aproveitei todo esse momento para criar aqui um registo de comédia de alto gabarito que espero que tenham gostado. Até porque consegui sacar uma foto bem engraçada. E porque ele já me tinha proposto há muito tempo chegarmos juntos ao meu Biquíni, só não tinha sido de joelhos, bá lá ber!)

A nível emocional (que pode não parecer, mas sou muito piegas) foram duas semanas em que senti falta daquela boa gente toda que lá trabalha (e dos abraços da minha Vanessa!), mas este é um blogue acima de tudo sobre a minha vida de ginásio. E acreditem que ter ficado duas semanas sem os meus treinos na Rapid fez prejuízo no meu corpo: ficou mais mole, os quilos estiveram mais teimosos a ir desta para melhor e deixei de sentir os músculos treinados como sentia dantes. Até as articulações se queixaram estes dias e deram sinais dolorosos. É deveras impressionante a catrefada de benefícios que traz treinar com recurso à electroestimulação muscular! 

Mas a equipa-maravilha está de volta. Eu, o Hugo e o fato mágico. Portanto, não se admirem se voltarem a ver vídeos e fotos destas duas caras bonitas. Como estas que se seguem: (E já avisei o meu corpo para se ir preparando que vai voltar a ver o que é bom para a tosse!)



Catarina

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Como assim, um tamanho S?

Não faço ideia de quantos anos passaram desde que o que vos vou contar de seguida acontecia, mas aponto para que seja há mais de dez anos.



De momento estou com um “problema” sempre que entro numa loja de roupa (bom, na verdade são dois “problemas” , que a falta de dinheiro também não é coisa porreira). Durante mais de dez anos, entrar numa loja de roupa acabava por ser um misto de emoções: a primeira era de chateação por a roupa que EU queria e gostava não me servir, seguida de alívio por precisamente a roupa não me servir, logo, não me sentir forçada em gastar dinheiro.

Acreditem, poupei bastantes euros por não ter roupa (que eu gostasse) que me servisse. Tanto assim é que, apesar de nunca ter deixado de gostar de moda e de me vestir minimamente bem, a verdade é que nos últimos anos me tinha desleixado nesse aspecto. Vestia o que servia até ficar tão gasto que acabava por “parecer mal” usar a roupa, andava sempre com a mesma mala independentemente de ficar bem com o conjunto ou não (apesar de ter mais de 100 malas) e os brincos eram sempre os mesmos e só para não fechar os buracos. Basicamente, tinha desistido de mim.
Mas esta mudança de vida tem-me trazido algumas coisas, entre elas aquela sensação estranha de entrar numa loja de roupa e... ela servir. E já nem é o tamanho maior a servir, caneco! Até o tamanho S eu já compro, o que é deveras estranho, acreditem. E maravilhoso. Olhar num espelho de uma loja… olhar mesmo para mim e ver o que mudei e o que ainda me falta mudar… É uma sensação maravilhosamente estranha. 
Tinha garantido a mim mesma esperar perder mais peso (queria chegar quase ao objectivo final) até comprar roupa nova pois sei que o corpo ainda vai (espero!!) mudar muito, maaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaas… entrar numa loja de roupa e não ir experimentar qualquer coisa tem sido um desafio muito difícil… assim como não a comprar. Acho que há muito tempo que não aproveitava tão bem aproveitada uma época de saldos. Além de que, não nos esqueçamos que comecei agora a trabalhar num sítio novo e com pessoas novas e mais vale mostrar-lhes logo a Catarina do futuro do que a Catarina do passado, certo? Mesmo que a Catarina do presente ainda esteja em obras. E é esse mantra que tenho usado sempre que entrego o meu cartão para pagar as compras: "Estás a caminho, mas já começas a ver a linha da meta. Podes comprar." E compro. 

Basicamente, não é só a minha roupa, a tal já largueirona, a dizer que estou no caminho certo. Também já a roupa das lojas me grita isso, e logo chamando por mim, um chamamento de sereia, é o que é!

Catarina


terça-feira, 5 de setembro de 2017

As calorias ingeridas na terra ficam lá, certo?


Fui passar o fim-de-semana à terra, que fica ali entre nenhures e lugar algum, mas que é tão rica em presença familiar que ir lá é sempre um aconchego à alma... e ao estômago. A sério, à casa onde for de família, há sempre um bolo, um pão com chouriço, uma frutinha, um miminho estomacal à minha espera. É certo e sabido. Como se as visitas estivessem sempre a serem esperadas, logo, as gulodices têm de estar logo ali, prontas a serem ingeridas. 

E eu ingeri. Lamento. Mas, além de ser uma desfeita não comer as ditas badochices/maravilhas da gastronomia, tenho a minha teoria que as calorias ingeridas na terra ficam lá. Só pode. Só isso explica os repentes que se me dão quando lá estou. Do nada, lá vou eu atacar um pacote de bolachas (leia-se o pacote todo). Além de que, quando lá estou me farto de comer pão, queijo e broas de mel... ai, as broas de mel! 

Mas, no fundo, todos nós sabemos que uma caloria uma vez ingerida fica no corpo feminino a deambular pela eternidade, e por isso já imaginam o prejuízo que trouxe da terra, certo? A balança acusou mais um quilinho, e foram só três dias que lá estive... Portanto, basicamente, até chegar ao Biquíni Dourado, ir à terra está fora de questão... 

Só se lá for com uma valente dor de dentes que me proíba de comer...

Só se for assim...

Ai, que saudades já das broas de melllll!


Catarina

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Da série "Só não perdes a cabeça porque não dava jeito!"


Tenho a sensação que não venho ao meu blogue há mais tempo do que desejaria. As razões principais são boas: parece que arranjei trabalho (digo parece porque sendo através de uma empresa de trabalho temporário, a palavra temporário assusta um bocadinho...).

Com este trabalho veio um horário ao qual não estava de todo habituada (com folgas rotativas, sendo que comecei com o horário das 07h às 16h), o que me veio mexer não só com os meus hábitos de escrita (escrevo muito mais à noite, noitinha), mas também com os meus hábitos de ginásio (esquece lá isso de ires à aula das 07h20, Catarina. Vais só à da hora de almoço e é se é se queres ver!). 
Além disso, a família estava toda de férias menos aqui a vossa excelentíssima, o que resultou que, assim que saía do trabalho, ia a voar ter com ela para ainda aproveitar um bocadinho do dia.

Ou seja, basicamente, passei as últimas duas semanas da minha vida a vir a casa dormir, vestir e preparar o saco de ginásio para a hora de almoço do dia seguinte. Ainda por cima, este meu PC é tão lentinho, tão lentinho que não consigo olhar para ele e ter vontade de escrever... relembro que "Impaciente" é o meu nome do meio.

Estão aí os factos. Mas para vos mostrar como anda a minha cabeça, vulgo, na verdade toda eu, conto-vos uma história que se passou na segunda-feira passada, dia em que mamãe me "trocou" ao fim do dia por outra companhia e, como tal, aproveitei para fazer uma aula de Cycle à hora de jantar...

Portanto, tudo começou quando preparei o meu saco na véspera, ou seja, domingo, para levar para o ginásio. Tive na altura a certeza absoluta que me estava a esquecer de algo, mas encolhi os ombros numa espécie de "já estás tão automática a fazer isto que é impossível te enganares".

No dia seguinte, ou seja, segunda-feira, depois do dia de trabalho e já a chegar ao carro, foi óbvio: "Merda, esqueci-me dos ténis em casa!" Ligo à minha mãe, muito chateada, a queixar-me que não só não tinha companhia para jantar como nem podia ir à aula por falta de ténis. "Vai comprar uns", ouvi como resposta do outro lado do telefone.

Ora, sorte das sortes, um dos meus ginásios até fica ao pé de uma grande superfície comercial que tem uma também grande loja que começa por "P" e acaba em "rimark" e outra que começa por "H" e acaba em "&M"... nem é tarde nem é cedo, e se há coisa que ainda hoje tenho como hábito, apesar desta idade toda que tenho, é fazer o que a minha mãe diz. E lá foi ela (ou seja, eu) comprar um par de ténis.

Mas se há coisa perigosa numa mulher sozinha à solta numa loja de roupa é precisamente uma mulher sozinha à solta numa loja de roupa.

Eu fui para comprar um par de ténis o mais barato possível, é verdade. Mas também é verdade que acabei por comprar não só o dito par de ténis como mais outro par (não de ginásio) e... um vestido cheio de pinta.

Estou apaixonada por estes ténis!




É tudo muito giro, não digo que não, mas foi tão grande o desvio da minha ideia original (ir apenas fazer uma aula de Cycle) que não podia deixar de me sentir com remorsos por tanto dinheiro gasto...

Mas há mais história. Claro que há.

Quando cheguei ao ginásio com o saco de ginásio numa mão e o saco da Primark com os ténis novos na outra, qual não foi o meu espanto ao abrir o fecho do primeiro e ver os atacadores fluorescentes dos meus ténis a sorrirem para mim.

Sim, tinha ficado algo em casa nesse dia. Só que não tinham sido os ténis. 

Tinham sido os chinelos.


Catarina


terça-feira, 22 de agosto de 2017

Em modo "Coelho da Alice"!


CREDOOOOOOOOOOO!!!! Sem tempo mesmo, genteeee! Amanhã prometo tentar actualizar aqui o estaminé assim como as minhas visitas aos vossos cantinhos! Raça da miúda!



quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Desconto douradinho EU Nutrition



A partir de hoje e até dia 20 de Agosto, domingo, poderão ir ao site da EU Nutrition e fazer compras com desconto até 25%! Como? Com o cupão de desconto aqui do blogue, pois claro!

O desconto é válido para todo o site, para todos os produtos e, o melhor de tudo, sem limite de utilização. 

As minhas favoritas são as Oats & Go Flapjacks, mas o difícil mesmo é escolher o que é melhor para a nossa vidinha de ginásio!


 Aqui vos deixo o código e, já sabem, bons treinos! 

EUBIQUINIDOURADO15

Catarina


terça-feira, 15 de agosto de 2017

Foi FOWtástico!



Foram tantas as emoções deste fim-de-semana que nem as consegui passar todas para aqui a tempo e a horas... Bem sei que me vou repetir com a próxima frase, mas o melhor desta minha mudança de vida não é o peso que perdi, mas sim as pessoas que tenho vindo a ganhar. Caneco <3

Vamos lá então relatar as razões de tamanha euforia da minha parte, mas, acima de tudo, vou tentar dar-vos vontade de irem no próximo fim-de-semana até à Pampilhosa da Serra, um local que ficará para sempre no meu coração e que mal posso esperar por lá voltar.

O motivo da visita até à terra do Tony Carreira foi a espécie de festival, espécie de chill-out que é o Seaside Sunset Sessions.

Fui, claro, para fazer uma aula de FOW num sítio diferente e maravilhoso, mas não estava à espera de passar um fim-de-semana tão em cheio como o que passei. 

Primeiro, e aqui que a dieta não nos lê, "com caraças" que se come muito bem na Pampilhosa! 
Começámos por almoçar maranhos (gosto tanto) no Caruma, um restaurante à beira-rio com gente super acolhedora e bem-disposta. Gostámos tanto que basicamente fizemos todas as refeições por lá, mas quando nos sentimos tão bem tratados (a nível estomacal e emocional), temos que repetir!

Depois... aula de FOW (já com a digestão feita, claro!), e que aula... que cenário! Acho mesmo que vai ser difícil superar tamanha beleza numa aula de FOW (só faltava a minha Mariana ao meu lado a embelezar mais a vista, mas a raça da miúda não foi - e sim, esta adenda foi uma espécie de apontar de dedo a ela, que vai ler isto e ficar a sentir-se pior por não ter ido, a bandida!).

Além de FOW, tivemos direito a muitas outras actividades ao longo do dia, entre elas aula de Jump (não sou a maior fã, mas a pressão de andar com trainers atrás "obrigou-me" a fazer a aula debaixo de um calor abrasador!), aula de Zumba, jogos tradicionais e outros menos convencionais (como futebol humano em que nos vestimos literalmente de bolas insufláveis... TOP!). Ao fim do dia, festa pela Pampilhosa, com os clássicos carrinhos-de-choque, em que já não andava desde miúda e é tão ou mais divertido do que me lembrava, muita dança e muita animação... Basicamente quando encostei a cabeça na almofada dormi que nem um bebé, isso sim.

Comecei este texto a falar em pessoas, e acabo também a falar nelas. Por isso, se quiserem saltar já para as fotografias do evento, estão mais do que à-vontade, mas aviso-vos já que vou ser mega lamechas de seguida e que por isso deviam ler as minhas palavras, porque é bonito ser lamechas de vez em quando, assim como ler lamechices...

A FOWmília é de facto impecável. Se já conhecia alguns dos trainers que foram até à Pampilhosa de propósito para darem as aulas durante o evento, fiquei a conhecer outros por quem o meu coração também se deixou encantar. Mas vamos lá por partes... ou por pessoas. 

O Bruno, já eu o sabia, é um castiço. Responde sempre com humor (demasiado!!) a tudo e é um trainer do caraças! Cativa as pessoas de uma maneira tal que pôs a turma toda a dançar a "Macarena" em cima das bases (NÃO É FÁCIL, ACREDITEM!!) A Cláudia, que tem dos meus nomes favoritos, apesar de eu não ter feito aula com ela, é tão querida e tão amorosa que apetece assim andar com ela no bolso (é pequenininhaaaa!) para todo o lado. O Hugo, que já conhecia de nome, mas por quem me encantei com o à-vontade e a disponibilidade em dar aulas. A minha Martinha, que tenho de partilhar aqui no blogue que tenho uma paixão imensa por ela. Tem sido ali um pilar enorme nos últimos tempos, e acreditem que escrevo estas palavras com o coração a tremer de emoção... Esta rapariga entrou na minha vida cheia de mau feitio, de falso mau feitio, que eu sabia estar ali um coração mole e atento. Está rapidamente a escalar até ao topo da pirâmide de minhas pessoas favoritas, e estes dias com ela só me mostraram mais uma vez que ela é um ser humano com "ésse" e "agá" maiúsculos. ... E depois, claro, o mulherão que comanda esta tropa toda... a Filipa... sempre ela, sempre a minha Filipa. Que coisa estranha somar o tempo que a conheço e ser ainda tão pouco e parecer que já passámos por tanto. Já andámos quase pelo País inteiro, já partilhámos desabafos e alegrias e, acima de tudo, o que eu, ela e todos os outros trainers temos em comum é a enorme paixão por FOW. Só percebe quem experimenta... por isso, deixo-vos um desafio. Espreitem o programa do Seaside Sunset Sessions (também "trouxe" comigo, o Gonçalo, o organizador disto tudo e o homem faz tanta coisa gira que cheira-me que ainda vão ler muito sobre ele aqui no estaminé), vejam quando há uma aulinha de FOW... e percebam a magia por trás desta minha publicação de hoje. 

É uma aula de FOW... mas traz com ela uma FOWmília, que é minha <3

Catarina

A trupe do restaurante Caruma teve muita paciência para a trupe FOW!

FOW trainers <3

Aula de FOW Duo

Hugo a dar aula em grande estilo 

Camisolas ao vento



As três na aula de Jump <3

Estava no 10, mas nunca teremos uma prova fotográfica desse meu feito!

Bruno a ser Bruno <3

Mesmo sem óculos a minha equipa ganhou!


FOWmília <3









quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Há coisas que (não) soam melhor em francês





Quis a vida que de repente tivesse que voltar a escrever/falar em francês diariamente. Não sendo especialista, "arranho" um pouco a língua (sou uma espécie de Gato-Maltês, que tocava piano e falava francês), mas confesso ter já muito vocabulário esquecido. Estava (está) assim numa espécie de caixa fechada no meu cérebro, provavelmente ao lado da caixa onde guardei o Teorema de Pitágoras e outros "voodoos" da matemática que raramente (nunca?) uso.

Estava tão escondida essa tal caixa que nunca se me fez luz, até esta semana, de que disse e escrevi algo muito divertido durante um ano e meio...

Sabem o que quer dizer "péte"? Uma palavra que se lê da mesma maneira que as iniciais daquela profissão que me acompanha nos treinos e cujos representantes estão por todo o lado no ginásio?? (ou seja PT)

Pois que "péte" é o mal-cheiroso acto de mandar um gás do intestino pelo ânus, vulgo acto de peidar.

E é isto.

No último ano e meio a palavra "peidar" andou não só a sair pela minha boca (que imagem bonita!) como a sair-me pelos dedos por este blogue fora...

Se há algum leitor que passe aqui neste Biquíni que saiba francês e já tenha pensado nisso, que se acuse e, claro, me perdoe o meu francês... mas também informo já que, como devem calcular, este vai ser um blogue que vai sempre fazer por cheirar mal (não só porque há muita transpiração e assim), ou não fosse o meu PT o mais gato (e melhor, e até bem-cheiroso!) de todos, logo, tenho sempre muito motivos para falar nele.

E agora também me apercebi que de tanta coisa linda que lhe podia ter dito em francês, coitado do homem que, sem querer, foi sempre aqui falado num acto com tal significado... Perdão, Hugo! Désolé pour l'inconvénient! Viva o (meu) PT! Viva! 

Catarina

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Ainda bem que este título está escrito: Seaside Sunset Sessions

De 11 a 20 de Agosto, na Pampilhosa da Serra, há Seaside Sunset Sessions (e se soubessem a dificuldade que tenho em dizer palavras começadas com "s" saberiam que babei o ecrã todo a dizer este nome em voz alta!) e eu... tenciono lá estar! E porquê? Porque além de todo o rebuliço prometido para fora de água, como concertos, animação de rua ou aulas de Zumba, terá em água a actividade-paixão aqui de "yours truly": Fitness On Water!



Dias 11, 12, 13, 17, 18 e 19, contem com as bases aquáticas a tornarem a paisagem mais azul-turquesa, com muitos "shakes" à mistura.

Podem consultar o programa completo AQUI.

Vemo-nos lá?

Catarina

sábado, 5 de agosto de 2017

Estou (mais ou menos) viva!


Estou viva! Bem... estou quase viva... Estas duas últimas semanas têm sido um teste à minha capacidade de ficar longe do ginásio e se falhei na primeira semana, que fui todos os dias duas vezes por dia, na segunda semana (esta) tive mesmo de parar...

Se aqui há um mês tive uma faringite e a semana passada uma otite... nesta segunda-feira fiz nova faringite. Ou seja... conversa chata e muito para baixo e este é um blogue que quero que seja para cima, optimista, mas a conclusão é: tive de parar. E tive de parar mesmo no sentido de o meu corpo não estar a responder. Dei por mim a deitar-me todos os dias às 21h30. VINTE E UMA E TRINTA. Eis algo que não me lembro de alguma vez ter feito. Mas, aparentemente, estava a precisar pois entre febres e andar a fazer uma formação que não podia mesmo faltar, aquele momento em que encostava a cabeça na almofada às VINTE E UMA E TRINTA era quando conseguia verdadeiramente sentir-me bem...

MAS... creio que já passou! Pelo menos ontem voltei a deitar-me no meu horário normal, já consigo respirar melhor e, tirando a tosse e ainda uma ligeira falta de ar ocasional... caneco... Estou bem melhor.

Espero mesmo segunda-feira poder voltar à minha rotina de ginásio... e já sei que me vai doer... ui! Se vai... Esta semana senti os meus "quase-músculos" a virarem banhas de novo, pelo que o regresso ao ginásio sei que não vai ser fácil... Mas mal posso esperar por sentir essas dores, o dorido do pós-treino.

Não sei como vai ser o vosso fim-de-semana, mas o meu tenciono que seja o mais tranquilo possível para ver se a beribéri se vai embora de vez...


Bom fim-de-semana!
Catarina


segunda-feira, 31 de julho de 2017

Quando andas demasiado à vontadinha...




Aqui me confesso: já me vi obrigada a ir "commando" depois de tomar banho no ginásio.

Para quem não sabe, "going commando" é uma expressão utilizada pelos falantes de língua inglesa e quer basicamente dizer "andar sem roupa interior"... E não falo, no caso das mulheres, do soutien.

É isso, a minha confissão é que, depois da aula do ginásio, de ter tomado banho e de me ter apercebido que me tinha esquecido de roupa interior limpa para vestir, pouco mais tive a fazer se não... ir sem cuecas.

O que vale é que das duas (sim, já foram duas) vezes que isso me aconteceu, eu ia para casa, por isso o incómodo de me sentir sem roupa interior foi só do balneário até ao carro e do carro até casa... Pouca coisa, portanto.

Está a confissão feita. Claro, também já me esqueci de meias e de soutiens, mas de facto, quando uma pessoa se apercebe que as cuecas limpas ficaram em casa... há ali um momento em que o coração acelera, ponderamos voltar a vestir as cuecas sujas... enfim!

(E eu costumo andar com um par de cuecas extra na mala, mas deve ter sido daqueles dias em que eu fui 72349723476 vezes ao ginásio e devo basicamente ter usado todas as cuecas disponíveis...!)

E vocês? Já tiveram uma situação destas? Confessem-me tudo! 

Catarina

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Têm planos para sábado à tarde?



Aposto que ainda não têm planos para sábado ao final da tarde. É que aposto mesmo!
E como sou vossa amiga, e sei que um sábado de Verão merece uma festa cheia de ritmo, deixo-vos como sugestão a Zumba Summer - Olá Verão, Adeus Hugo que, como o nome indica, é uma festa de despedida das aulas do "meu" Hugo na Junta de Freguesia de Benfica, mas um grande "olá" ao querido mês de Agosto que está quase aí com todo o seu calor... e Verão!

O sítio já o disse: Junta de Freguesia de Benfica, em Lisboa.

A temática também: Verão! Hugo! Zumba!

Falta o horário: 19h00

E o preço: €3,50 e podem comprar no dia no local.

E tem um extra: sabem quem vai lá estar?

Exacto, o Hugo!





Vá, e eu!

Apareçam! 


Catarina


quarta-feira, 26 de julho de 2017

A culpa é dele...


Em última análise, este blogue só existe por causa dele. 

Foi por querer aguentar as aulas dele sem desfalecer e por me sentir tão bem aos pulos e com as endorfinas aos saltos que continuei a ir, não só às aulas de Zumba, mas também a outras, pois já que ia ao ginásio fazer uma aulinha, fazia duas ou três.

Em última-última análise, foi por causa dele que conheci o meu Hugo, a minha Filipa, e todas as minhas outras pessoas que já vou trazendo com tanto carinho no coração desde que ressuscitei em mim o bichinho do desporto.

Estes meus 29-quase-30 quilos perdidos são resultado da minha força de vontade, claro, mas acreditem que foi muito por culpa dele que essa tal vontade estava lá. Afinal, "tenho aula com o Daniel" passou a ser sinónimo de "não estou disponível a essa hora, nem vem que nem tem".

Sem ele saber, os seus movimentos cativantes, as coreografias desafiantes, o querer superar-me em cada aula para de alguma maneira lhe mostrar que "Olha, és um instrutor tão brutaaaal que até pões aqui a gordita a mexer!", a sua dedicação, paixão, carinho e entrega, tudo isto, volto a dizer, sem ele saber, mudou a minha vida... para melhor!

Devo-lhe muito sem lhe dever nada, porque o que ele faz, faz com gosto e, na verdade, até é a sua profissão! Mas agora que o rapaz vai para "a" convenção de Zumba em Orlando, EUA, não posso deixar de expressar aqui para todó-mundo ler, o orgulho que tenho em chamar ao Daniel de meu primeiro grande amor da Zumba. De lhe dizer que tenho a certeza que vai ARRASAR e que cá o espero como sempre na fila de trás, com timidez no olhar, mas energia para dar... a energia que descobri que tinha por causa das aulas dele!



Go Daniel! Go Daniel!


Catarina


segunda-feira, 24 de julho de 2017

Como diz que disse?




Estou com uma otite e confesso que a última coisa que me tem apetecido fazer é sentar-me ao PC a escrever no meu e/ou ler os vossos blogues porque, estranhamente, assim que me sento ou deito as dores aumentam para níveis de sentir o coração a bater no ouvido doente.

Conto-vos isto para justificar a ausência de posts nestes dias assim com de Instagramices e Facebookices. Sinto-me mesmo sem vontade. Já há um bom par de anos que não tinha uma otite e esta atacou-me forte e feio... 

E o pior é que as aulas de FOW esta semana estão proibidas, assim como qualquer outra actividade na piscina... 

Não sei mesmo como vou sobreviver sem FOW uma semana... 

Desejem-me as melhoras e prometo amanhã vir com mais entusiasmo falar convosco! E espero já ouvir melhor, que só estou habituada a ficar surda sem óculos nos olhos...

Catarina

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Alongamentos de Zumba com direito a bailado



Se dúvidas existissem que é sempre melhor ir ao ginásio do que... não ir, deixo-vos um vídeo feito ontem durante os alongamentos finais da aula de Zumba do Hugo na Junta de Freguesia de Benfica.

É por pessoas destas, por momentos destes, por ser preferível estar a com elas e a vivê-los que prefiro sair de casa. Mesmo se for para ir para a outra ponta da cidade à hora de ponta, o melhor é ir.

Que momento delicioso! 





Catarina

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Benefícios improváveis de ir ao ginásio



Tenho uma vizinha que, só não me arrisco a dizer que é a pior do mundo porque existe nesse mesmo mundo gente como os que fazem parte do daesh ou ditadores em lugares de poder. Mas se eu e ela vivêssemos em Marte, o prémio de pior vizinha ia para ela. Sem espinhas.
Falo nisto não para enumerar as razões que a fazem levar para casa o prémio de Miss Vizinha-ao-contrário, mas sim para explicar porque é que na quarta-feira passada antes de ir para o ginásio, a minha fé na humanidade tinha ido por cano abaixo. É que na terça-feira à noite, tivemos, eu e ela, mais uma discussão daquelas, em que ficou comprovada mais uma vez a sua estupidez. Porque é o que ela é. É muito estúpida.

Mas adiante. Quarta-feira e lá fui eu, indignada, para o ginásio. Fui cedo e ainda levei a minha mãe até Lisboa, sempre desabafando em como sentia que as energias desta pessoa me sugavam o ânimo


Foi uma Catarina a colocar a fé na humanidade em causa a que fez as aulas, tomou banho, se vestiu e votou para o carro.

Já dentro do carro, mas ainda no parque de estacionamento do ginásio, vejo um casal meio desorientado à procura de onde pagar. Apesar de estar contra o mundo naquele dia, parei, saí do carro, e fui perguntar se queriam ajuda. Eram italianos portanto a conversa fez-se... em inglês. Lá lhes expliquei como e onde deviam ir pagar e eles ficaram agradecidos. 

Já estava no carro quando vejo o senhor a fazer-me sinais para parar: "Temos uma cama insuflável que íamos deitar fora porque vamos agora para o aeroporto. Quer ficar com ela?"
Acho que devo ter feito a cara mais esquisita no mundo, porque ele disse de imediato: "Não estamos a brincar, foi a que usámos para cá dormir, mas não cabe na mala para levar para casa." 

Lá fui com eles até ao carro deles, meti a cama e a bombinha para a encher no meu, e despedi-me humildemente, desejando uma boa viagem até Itália.

Conto-vos esta história porque há claramente duas conclusões a tirar: a primeira é que ainda há pessoas boas no mundo... e a segunda é que uma ida ao ginásio pode eventualmente resultar em trazer uma cama insuflável para casa.

Na dúvida, ir sempre ao ginásio!

Catarina




quarta-feira, 19 de julho de 2017

Desejosa de ser fashion #2

Prometo que vou tentar começar a tirar fotografias com mais pinta para esta rubrica. Mas na verdade ainda não me sinto muito à vontade para sessões fotográficas no meio da rua, muito menos quando estou em modo "selfie". Baby steps, malta!

Partilho este look convosco porque, ao contrário do previsto por não ter um bocadinho de preto (e eu quase só usar preto), senti-me muito bem com ele. Não sou a maior fã de cinzento, mas este body (no meu body!) até nem desgosto. Foi mais uma das compras "olha, tenho um corpo novo, vamos lá ver o que as lojas têm para mim" e, neste caso, os saldos foram meus amigos. As calças são velhinhas, mas parecem novas porque eram daquelas que estavam tão apertadas que me sentia mal em as usar... Já lá vai!





Body: Primark
Calças: eu sei lá!
Colar: prenda de mamãe
Espero que tenham gostado!


Catarina

terça-feira, 18 de julho de 2017

Faz. Ou não faz. Não há cá tentar*

(*Clara tradução de uma famosa frase de Yoda "Do. Or do not. There is no try.")

Não sei na verdade quantos de vocês que seguem este meu cantinho à beira-blogspot plantado é que gostam de Star Wars. Nem é preciso gostarem de verdade, mas pelo menos quantos de vocês já viram e se lembram da saga (falo, pois, da trilogia original, os episódios IV, V e VI). 

Para vos situar, vamos até ao episódio V, até ao sistema Dagobah, onde um nada zen Luke Skywalker conhece Yoda, o mestre Jedi de cor verde e com problemas em compor frases pela ordem certa.
É lá que Luke começa a treinar para ser Jedi, a controlar a Força e... a acreditar verdadeiramente no seu poder. É posto à prova física, mas também mentalmente. Numa espécie de "corpo são em mente sã", mas mais para a "frentex", dado que se consegue mexer coisas com o poder da Força e assim. 


Falo-vos desta cena pois, também eu, sempre que entro numa piscina para fazer Fitness On Water, me sinto a entrar no sistema Dagobah, só que em vez do pequeno Yoda, tenho a pequena-grande Filipa a puxar por mim.

Este até é fácil. A pessoa está de quatro apoios e, se ficar à frente como eu fiquei, nem tem de levar com bundas alheias na cara.

Se o Luke ao início achava que era tudo mentira, também eu a princípio achei que nunca seria capaz de me pôr de pé em cima de uma waterbase. E já consigo. Já abano a base, já salto, já danço uma espécie de kuduro (porque ponho o rabo espetado para não cair), e já quase que dou uma volta de 180 graus sem cair, enfim, já QUASE. E é esse QUASE que me faz pensar sempre em Dagobah e na Força quando faço uma aula de FOW. 


via GIPHY (Sou eu, mas tipo de pernas para o ar, sendo que a waterbase seria o Yoda... ou assim)

Reparem, eu faço a aula sem óculos e, como já aqui o afirmei, ao tirar os óculos fico cega... e surda. São dois dos meus sentidos que ficam à borda-de-água sem direito a serem salvos pelo bote salva-vidas. Portanto, se perco estes dois sentidos, o meu equilíbrio tem de vir de algum lado... Entro mesmo num mundo só meu (Dagobah) e é a imagem lá de cima que me vem sempre à ideia quando estou na base.

Pode parecer que estou em cima da waterbase (à direita), mas na realidade estou em Dagobah a treinar a Força.

Tenho de sentir a Força. Tenho de ser a Força. Tenho de permitir que a Força me não deixe cair à água...

Esperem lá... na verdade, isto é tudo muito bonito, mas não fosse o meu Yoda pessoal e nada disto faria sentido. Foi ela que, quando eu chegava a casa indignada por não conseguir FOWar como deve de ser, foi puxando por mim no chat do Facebook e, à boa maneira do outro Yoda (o verdadeiro), me disse "Vais conseguir. Vais continuar a ir às aulas. Vais... vais... vais..." E eu, bem mandada, lá fui cedendo. 

Como assim? Que gatas!

Com uma ou outra falta de comparência, tenho sido muito fiel às minhas aulas de segunda e quarta-feira à noite da piscina do Alvito, em Alcântara, e estou a lá chegar... Confesso que, por não conseguir ver (eu sei que há lentes de contacto, mas cada um com as suas questões e eu não gosto que se me enfiem cenas nos olhos), não sei se algum dia irei FOWar tão bem como por exemplo as minhas colegas veteranas, já nem falo na Jedi-Filipa!, mas estou a caminhar. Aliás, estou a FOWar...


Nota final a este artigo:

Bom... não pensem que as aulas de FOW são assim um bicho de sete cabeças, que não são. Mas no meu caso, estando legalmente cega e provavelmente também surda, o grau de dificuldade de uma aula de FOW escala vertiginosamente para "Jedi in training"... daí o uso metafórico da Força. Bem... por estar cega e por eu ser no geral um camião TIR a entrar numa loja de porcelana sempre que me ponho na base... É por aí!


Catarina

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...